Xavier Agostinho

Os indianos globais são tomadores de risco altamente qualificados e dinâmicos, os impulsionadores da Brand India em todo o mundo. O palco está montado e pertence a você. Qual a sua história?

Quem é um índio global?

Há muito tempo quero contar as histórias dos indianos no exterior, contar as provações e tribulações que eles enfrentam em sua jornada de transformação e sucesso. Então, em 2000, quando estávamos fazendo um nome para nós mesmos no cenário global, registrei, quase intuitivamente, o nome de domínio, 'www.globalindian.com'.

 
A ideia ficou em incubação por vinte anos, esperando pacientemente seu momento. Em 2020, quando o mundo entrou em confinamento, descobri que tinha mais tempo para buscar as coisas que mais valorizo. E entao, Global Indian – A Jornada de um Herói surgiu como uma plataforma de mídia digital que valoriza a narrativa de alta qualidade e um olhar aguçado para as estrelas que nos cercam, inspirados no trabalho seminal de Joseph Campbell, A Jornada de um Herói.
 
As histórias que contamos são destinadas a inspirar aqueles que estão partindo em uma viagem ao exterior, lutando contra grandes dificuldades para explorar o mundo e descobrir a si mesmos no processo. Como o herói de Campbell, eles começam respondendo a esse chamado fatídico para a aventura, superam os muitos desafios que se apresentam ao longo do caminho e voltam para casa, transformados de maneiras que nem eles poderiam ter imaginado, para servir sua comunidade e seu país. Talvez ouvir sobre suas jornadas motive outras pessoas a se arriscarem e ao imenso potencial contido em todos nós.
 
Estou particularmente orgulhoso da Seção Juvenil – os jovens indianos que ousam sonhar grande e mostram coragem exemplar para alcançar esses sonhos nunca deixam de me surpreender. Espero que eles também te inspirem e te deixem com a sensação de que o futuro está em boas mãos.
 
Os indianos globais são tomadores de risco altamente qualificados e dinâmicos, os impulsionadores da Brand India em todo o mundo. Eu também adoraria ouvir de você – comentários, propostas e ideias são sempre bem-vindos. O palco está montado e pertence a você. Qual a sua história?

Impacto indiano global

  • Impacto pessoal
  • Impacto Nacional

Impacto pessoal

Impacto Nacional

A jornada de um herói

1920 Primeira Onda | Gobal Indian 1.0

BR Ambedkar (Reformista Social, Constitucionalista, Maharashtrian)

O 'intocável' que escreveu a constituição indiana

Na escola, Bhimrao Ambedkar e as outras crianças 'intocáveis' eram segregadas de seus colegas, proibidas de entrar na sala de aula. Eles esperavam por um peão de uma casta mais alta para derramar água em suas bocas – Ambedkar escreveu mais tarde, 'sem peão, sem água'. Na época, ele foi celebrado por passar no quarto padrão, considerando seu status social. Ele se mudou para Mumbai, tornando-se a primeira pessoa da casta Mahar no Elphinstone College, onde obteve um mestrado em inglês.

Aos 22 anos, Ambedkar recebeu uma Baroda State Scholarship por três anos e foi para Nova York para fazer mestrado e doutorado na Columbia University. Pela primeira vez experimentou as alegrias da vida em uma atmosfera livre de restrições de casta. Tendo garantido uma vaga na London School of Economics, ele vai para Londres para estudar direito, mas retorna no meio do caminho quando sua bolsa acaba. Ir para o exterior mostrou a ele que a vida também pode ser sem opressão e passa a escrever a constituição indiana e se torna o primeiro ministro da lei da Índia.

“Meus cinco anos de permanência na Europa e na América apagaram completamente da minha mente qualquer consciência de que eu era intocável, e que um intocável onde quer que fosse na Índia era um problema para ele e para os outros.” - Ambedkar, à espera de um visto

Compartilhe a história

MK Gandhi (Pai da nação, Reformador Social, Gujarati)

Uma busca espiritual pela identidade nacional conquistou a liberdade da Índia

Nascido em uma família pobre em uma pequena cidade em Gujarat, Mohandas Karamchand Gandhi começou sua educação na escola local em Rajkot. Aos 15 anos, de acordo com os costumes da época, casou-se com Kasturba, perdendo um ano de estudos no processo. Ele se matriculou no Samaldas College, Bhaunagar, mas desistiu após um período. Um ano depois, seu irmão se ofereceu para financiar os estudos de Mohandas em Londres. Sua mãe se opôs - a crença na época era que cruzar os mares significava uma perda de casta. Ele se manteve firme, mesmo sendo banido de sua comunidade.

Em Londres, o adolescente lutou para assimilar o modo de vida, não gostava do frio e se preocupava constantemente com sua dieta vegetariana e estilo de vida frugal. De um adolescente tímido que tentou se conformar com a sociedade inglesa, a um homem moreno na África do Sul que sofreu o peso do abuso racial, ele expulsou os britânicos da Índia, cultivando um método de resistência pacífica que continua ocupando um lugar único na história. Hoje, Gandhi é a 'marca' mais reconhecida do mundo e influenciou homens como Martin Luther King e Nelson Mandela.

"De uma forma suave, você pode agitar o mundo."

Compartilhe a história

Dhirubhai Ambani (Industrialista, Visionário, Gujarati)

Aprendendo a negociar no Iêmen para fundar a Reliance Industries

A jornada de Ambani começa em uma pequena vila em Gujarat, onde ele ajuda um amigo a vender frituras em uma barraca. Embora não se destacasse no sistema educacional convencional, Ambani era um aprendiz constante que passava seu tempo observando os bazares movimentados de Gujarat. Aos 16 anos, foi para o Iêmen, onde trabalhou como frentista e aprendeu suas primeiras lições de comércio nas ruas de Aden. Ele escolheu retornar à Índia, confiante de que poderia criar imensa riqueza em seu país natal.

Ambani fundou a Reliance Industries, que se tornou a primeira empresa indiana privada a ser incluída na Fortune 500, e popularizou a cultura acionária. O legado de Ambani continua vivo, pois a Índia desfruta de seu modelo de negócios de serviços de alta qualidade a preços acessíveis, que impacta vários setores, incluindo petroquímico, têxtil e telecomunicações. A Reliance Industries continua a retribuir à nação por meio da criação de infraestrutura em cidades como Jamnagar e escolas e hospitais de alta qualidade.

“Pense grande, pense rápido, pense no futuro. As ideias não são monopólio de ninguém.”

Compartilhe a história

Ratan Tata (Industrialista, Filantropo, Parsi)

Tornando o Grupo Tata um nome global e familiar

Ratan Tata vem de uma longa linhagem de empresários parsi de períodos pré-coloniais e nasceu privilegiado. Seu tempo na Universidade de Cornell (final da década de 1950), bem como em Harvard (década de 1990), moldou o indivíduo, engenheiro, designer e empresário nele. Recusando uma oferta de emprego na IBM, ele retornou à Índia em 1961 e começou a trabalhar na fábrica da Tata Steel, tornando-se presidente do grupo. Durante sua passagem, o Grupo Tata cresceu mais de 40 vezes e se tornou uma marca global. Ele surfou com sucesso nas ondas da globalização e da tecnologia, construindo empresas como a Tata Consultancy Services e adquirindo empresas globais como Tetley Tea, Daewoo, Corus e JLR.

Ao fazer isso, ele aprimorou não apenas a marca Tata, mas também a Brand India. O lançamento do Nano, o 'carro do povo' de US$ 2000, chamou a atenção do mundo para a Índia. Ele continua o legado da Tata Trusts que equilibra propósito e lucros em todos os seus negócios.

“O que me levou – um homem em um veículo de duas rodas com uma criança na frente, sua esposa sentada atrás, além das estradas molhadas – foi uma família em perigo potencial.” Ratan Tata no Nano.”

Compartilhe a história

Indira Nooyi (CEO, Pioneira, Tamiliana)

A garota que escolheu Yale ao invés do casamento

A jornada de Indira Nooyi começa como a de qualquer Tamil Brahmin - uma estudiosa garota Chennai, ela foi criada em uma família de classe média focada na excelência acadêmica e em encontrar o marido certo. Sua mãe também a encorajava a tocar instrumentos musicais e orar sobre o que ela faria se se tornasse primeira-ministra. Ao se formar no IIM Kolkata, ela arriscou enviar uma inscrição para Yale em vez de se casar e trabalhar na Johnson & Johnson. Para surpresa de todos, ela recebeu uma bolsa de estudos. Yale foi uma experiência transformadora para a jovem, que carregava sua índia com graça e orgulho, até usando um sári para uma entrevista na faculdade. Mais tarde, ela se tornou uma das maiores doadoras de ex-alunos do fundo de doações de Yale.

Indira foi uma pioneira, tanto por compulsão quanto por escolha – ela não foi uma antecessora indiana global. Ela subiu pela América corporativa para se tornar a CEO da PepsiCo. Como CEO, ela enviava cartas pessoais aos pais de seus funcionários em agradecimento, demonstrando como seu estilo de liderança era influenciado pelos valores da família indiana. Ela reconhece a Índia como um grande mercado para a Pepsi, e milhares de agricultores se beneficiaram da estratégia de compras da Pepsi. Sua ascensão meteórica continua a inspirar meninas indianas com a lição de que a excelência pode quebrar o teto de vidro.

“Deixe a coroa na garagem.”

Compartilhe a história

NR Narayana Murthy (CEO, Pioneiro, Kannadiga)

O homem por trás da Infosys encontrou sua vocação pedindo carona pela Europa

Quatro noites passadas encarceradas em uma estação ferroviária sérvia transformaram a vida de um jovem socialista chamado Narayan Murthy. Nascido em uma família humilde de professores, perto de Mysuru, seu pai não tinha condições de pagar suas taxas no IIT, embora Murthy tenha chegado lá para um mestrado. Ele conseguiu um emprego na Patni Computer Systems e foi colocado em Paris, onde os jovens estavam nas garras do esquerdismo e do socialismo. Influenciou Murthy também. Ele viajava com frequência, mas queria fazer mais, decidindo pegar carona por 25 países até a Índia via Cabul.

Na Sérvia, Murthy foi arrastado para fora de um trem, seu passaporte foi confiscado e ele passou 120 horas sem comida ou água em uma cela de uma estação ferroviária. Tais maus-tratos em um país comunista transformaram o "esquerdista confuso" em um "capitalista determinado". Ele pega emprestado Rs 10,000 de sua esposa e começa a Infosys com seis colegas, com a missão de se tornar a empresa mais respeitável do país. Ele é pioneiro no modelo de entrega global, agora adotado por todas as empresas de terceirização de TI. A Infosys se torna uma gigante de TI de ponta, emprega mais de 250,000 pessoas, gera uma capitalização de mercado de cerca de ₹ 6 trilhões, estabelece as bases para a indústria indiana de serviços de TI e acaba transformando Bengaluru no Vale do Silício da Índia.

“Respeito, reconhecimento e recompensa fluem do desempenho.”

Compartilhe a história

Devi Shetty (cirurgiã cardíaca, empreendedora, mangaloreana)

O cirurgião que se tornou o Henry Ford dos cuidados cardiovasculares

A jornada da Dra. Devi Shetty como médica começa em Mangalore. Ao completar 30 anos, um período de trabalho no Reino Unido provou ser transformador, pois ele foi exposto a atendimento de alta qualidade ao paciente e ao sistema de saúde do NHS, que tornou esse atendimento de qualidade acessível a todas as classes. Ele sempre quis voltar para a Índia, mas a jornada "Heathrow para Howrah" se tornou um ponto de virada para o cirurgião.

Como consultor sênior do BM Birla Heart Research Center em Kolkata, ele teve a oportunidade de tratar Madre Teresa, que influenciou seu senso de empatia. Ele montou seu próprio hospital, Narayana Hrudayalaya, em Bangalore, com um novo modelo de cuidados cardiovasculares baseado na acessibilidade em todos os níveis de renda. Ele pretendia reverter uma situação em que os cuidados de saúde críticos são tão desiguais que apenas três em cada 100 cirurgias cardíacas abertas são realizadas. Uma cirurgia de ponte de safena típica custa cerca de US$ 123,000 nos EUA e cerca de US$ 8,000 na Índia, mas Shetty pretendia reduzir o custo para US$ 800. Seu modelo é um exemplo de como o zelo e o impulso empreendedor podem entregar onde os governos não podem. Seu modelo orientado a propósitos (Build it >> Prove it>> Scale it >> Extend it) pode ser aplicado de várias maneiras para aliviar os pobres e desfavorecidos na Índia.

“Se a solução não for acessível e acessível, não é uma solução.”

Compartilhe a história

Satya Nadella (CEO, Techpreneur, Hyderabadi)

O menino que não queria ir para a América tornou-se sua realeza tecnológica

A jornada de Satya Nadella começa em Hyderabad como filho de um funcionário público. Crescendo em uma família de acadêmicos, seu aprendizado inicial começou no campo de críquete e na Escola Pública de Hyderabad, que produziu muitos CEOs globais ilustres. Relutante no início, ele escolheu a Universidade de Wisconsin-Milwaukee em vez de um mestrado do IIT, seguindo-o com um MBA da Universidade de Chicago. Ele acredita que sua ascensão ao cargo de CEO foi em grande parte porque ele estava no lugar certo na hora certa, bem como a política de imigração americana e a diversidade corporativa, que permitem que um trabalhador estrangeiro com visto H1B chegue ao topo.

Ele foi responsável por transformar a Microsoft, a maior empresa de software do mundo, com seu pensamento baseado em nuvem e mobile-first, que ele aprendeu lendo 'The Growth Mindset' de Carol Dweck. Sua posição como CEO é representativa de muitos indianos que cresceram por puro mérito e contribuíram, assim, para a construção do valor da marca da Índia. Hoje ele é cidadão americano e mora em Seattle, mas suas origens indianas e sua compreensão do mercado indiano dão à Microsoft uma vantagem em termos de investimentos e incursões na infraestrutura digital e no futuro da Índia.

“Acredito fundamentalmente que, se você não está aprendendo coisas novas, para de fazer coisas boas e úteis.”

Compartilhe a história

Kamala Harris (vice-presidente dos EUA, política, raízes tamilianas)

O próximo presidente dos Estados Unidos?

A jornada de Kamala Harris não teria sido possível sem sua mãe Shyamala deixar Chennai aos 19 anos para estudar na Universidade de Berkeley, patrocinada pelo fundo de aposentadoria de seus pais. Kamala foi moldada pela escolha de sua mãe tâmiliana de criar sua filha com valores afro-americanos e uma mentalidade ativista. Sua mãe também a expôs ao índio durante suas visitas ao país. Crescendo na área de Oakland, ela suportou o peso das leis de segregação em vigor na época. Essa discriminação racial, bem como o zelo de seus pais pelo ativismo, moldaram sua consciência desde tenra idade.

Ela ingressou no Howard College, estudou direito e começou sua carreira como promotora de direitos civis em São Francisco, e se tornou procuradora-geral da Califórnia. Suas afiadas habilidades jurídicas e oratórias a catapultaram para a política nacional como membro do partido democrata. Ela foi nomeada companheira de chapa de Joe Biden nas eleições de 2020 e quebrou o teto de vidro ao se tornar a primeira vice-presidente e a mais alta funcionária da história dos EUA, bem como a primeira vice-presidente afro-americana e a primeira vice-americana de origem asiática. Presidente. No processo, ela aprimorou o patrimônio da marca Índia e inspira milhares de mulheres jovens a aspirar ao mais alto cargo.

“Não deixe ninguém te dizer quem você é.”

Compartilhe a história

Gitanjali Rao, Jovem Inovador Social, Mangalorean

A garota que quer que você e eu inovemos

A jornada de Rao de Gitanjali começa nos Estados Unidos, onde seus pais inculcam nela um interesse precoce em resolver problemas. Aos nove anos de idade, sua atenção é atraída pelas notícias de contaminação por chumbo em Flint, Michigan. Ela ficou preocupada com a ideia de crianças como ela em todo o mundo bebendo água contaminada e isso a colocou no caminho para descobrir seu próprio ikigai e também inventar um dispositivo acessível que detecta chumbo na água. Ela ganhou vários prêmios, incluindo a capa da Time como a Criança do Ano em 2020, quando tinha apenas 15 anos. Seu pensamento inovador também aborda o cyberbullying e o vício em opióides.

Suas realizações científicas e seu recente livro 'A Young Innovator's Guide to STEM' mostram que inovação e empreendedorismo começam com empatia e que não é preciso ser cientista ou ter doutorado para resolver os problemas do mundo. Ela inspira as crianças a usar a ciência e a tecnologia para criar mudanças sociais e incentiva as meninas a estudar disciplinas STEM. Sua história lembra nossos formuladores de políticas que a inovação precisa fazer parte de nosso currículo e como tal pensamento pode ser um salvador para os problemas da Índia e do mundo, e que qualquer coisa pode ser resolvida por você e por mim.

“Meu objetivo realmente mudou não apenas de criar meus próprios dispositivos para resolver os problemas do mundo, mas inspirar outros a fazer o mesmo também.”

Compartilhe a história

Kalpana Chawla (Primeira mulher de origem indiana no espaço)

De menina Haryana da pequena cidade à primeira mulher de origem indiana no espaço

Nascido no Karnal de Haryana, o pai de Kalpana fazia pequenos trabalhos (desde vender nas ruas até fabricar pneus) para ganhar a vida. No entanto, ele garantiu que Kalpana recebesse uma educação, considerada um luxo desnecessário em sua aldeia. Quando criança, ela observava os céus do terraço de sua casa e desenhava estrelas no teto antes de estudar engenharia aeronáutica na Punjab Engineering College. Em Arlington para seu mestrado em Engenharia Aeroespacial na Universidade do Texas, ela conheceu seu futuro marido, um instrutor de aviação e autor de aviação chamado Jean Pierre Harrison, que a treinou para ser piloto.

Com um segundo mestrado e doutorado pela Universidade do Colorado, ela começou a trabalhar na NASA. Ao se tornar uma cidadã americana, ela se inscreveu no prestigiado corpo da NASA. Ela foi selecionada para seu primeiro voo em 1991, no malfadado ST-107, que se desintegrou em seu retorno. Kalpana não foi apenas a primeira mulher indiana a estar no espaço, ela empurrou as fronteiras da ciência para a humanidade. Ela continua a inspirar milhares de mulheres e tem ruas, dormitórios e supercomputadores com seu nome. Sempre grata à Tagore High School, ela fazia com que duas crianças da escola visitassem a NASA todos os anos.

“O caminho dos sonhos para o sucesso existe. Que você tenha a visão para encontrá-lo, a coragem para alcançá-lo e a perseverança para segui-lo.”

Compartilhe a história

CK Prahalad, autor, professor, guru da gestão. Tamil (1900-2016)

O especialista em gestão instrumental no boom de TI da Índia

A jornada de CK Prahalad começa em uma escola média Tamil em Chennai, onde ele foi muito afetado pela pobreza ao seu redor. Ele foi para Harvard e se tornou um guru de gestão para CEOs de empresas da Fortune 500. Ele se formou em Física pela Universidade de Madras e trabalhou por alguns anos antes de ir para o IIM-Ahmedabad e depois para Harvard, antes de voltar para casa. Ele saiu novamente, desta vez para ser professor na Universidade de Michigan, um especialista em administração e um autor prolífico. Em 1990, seu livro Core Competence o colocou no centro das atenções e Fortune at the Bottom of the Pyramid (2004), que apresentou a inovação como uma solução para a pobreza generalizada, abriu caminho para gigantes da indústria estrangeira entrarem na Índia.

Ele foi pioneiro em muitas teorias de gestão, incluindo: Competência Central, Lógica Dominante, Intenção Estratégica, Base da Pirâmide, Economias Emergentes e Co-criação. O guru da administração, que é um 'Distinguished Professor' na Ross School of Business, Michigan, também orientou os CEOs indianos durante o período crítico da rápida globalização nos anos 2000. Ele acredita no poder da imaginação e compara empreendedores com lutadores da liberdade. Ele também acredita que as empresas devem olhar além dos lucros e ser uma força do bem.

“O problema da pobreza deve nos forçar a inovar, não reivindicar “direitos de impor nossas soluções”.

Compartilhe a história